quinta-feira, dezembro 14, 2006

a cidade já está repleta de luzes de mal gosto, vitrines multicoloridas anunciando enormes promoções que não vou poder pagar, a fila dos meus credores se atiça imaginando que possa sobrar resquia do meu décimo terceiro salário, as pessoas sorriem feito perfeitos idiotas nas ruas acreditando em paz, amor e em um ano sem ataques do PCC ou segregação social, as propagandas fingem que as empresas são muito nossas amigas e desejam que sejamos felizes e compremos seus produtos, o calor cada dia fica mais insuportável e eu ainda estou trancado em um maldito escritório... ahh, o natal! que época mais inspiradora e feliz!
em homenagem a esta tão bela época repleta de moços gordos (ou nem tanto) e barbudos tirando um extra fazendo ho-ho-ho (hey-ho let´s go!) vestidos de vermelho, republico aquele que é meu mais autêntico conto de natal.

O DUENDE ROQUENROL

Aquela noite de trabalho o duende Tom não estava muito legal... havia bebido muito na véspera, brigado com a mulher por ter chegado bêbabo, numa puta ressaca e ainda tinha perdido o trenó das 5, ficando mais tempo na neve e aumentando a gripe que já havia se aproveitado da sua baixa resistência. Ele até havia pensado em não ir trabalhar, mas o problema é que ele recebia por diária e estava com o cartão de crédito estourado. O pior é que com a proximidade do natal a linha de montagem passara a ter um ritmo cada vez mais intenso e o Papai Noel, em crise com a Dona Natalina, estava cada vez mais insuportável.

- Vamos seus molengas!! Temos que trabalhar rápido! Se eu não começar as entregas logo muitas crianças boazinhas vão ficar sem presente!! - Gritava um histérico e avermelhado Papai Noel - Você, da sessão 7, ande rápido com essas bicicletas!! Você, da sessão 9, corra para a sessão 2 pois estamos precisando de mais pessoas fabricando bonecas!!

O pior é que a dor de cabeça do duende Tom só aumentava e aquele velho barbudo só fazia gritar mais alto... aonde ele tinha arrumado toda aquela empostação vocal? Fazer ho, ho, ho deve limpar bem a garganta porquê nunca ele havia visto algum bastardo maldito gritar tão alto. O que aquele maldito cara de camisa vermelha pensava que eram eles? Escravos? Ele era um duende consciente e esclarecido, conhecia a história dos duendes, sabia de seu passado de glórias quando eles podiam viver livremente nas florestas européias apenas aprontando e entrando em histórias da carrochinha. Ele mesmo já havia feito uma ponta numa versão de "Sonhos de uma noite de verão". Não é só porquê as crianças não acreditavam mais neles que a glória de dias passados havia sido apagada de sua memória. Naquele momento ele maldisse sua sina e até pensou: - "Merda! Por que eu não aceitei aquele maldito emprego de duende de shopping? Pagava mal mas ainda é melhor do que aturar esse velho histérico"

Distraído em seus pensamentos, o duende Tom se enganou e acabou enfiando uma cabeça de power-ranger numa boneca de pano. Papai Noel, sempre atento aos movimentos de seus funcionários, não perdoou e caiu matando.

- Seu duende de merda!! Tá pensando que isso aqui é a casa da mãe joana? Isso aqui é uma linha de montagem, é preciso uma grande disciplina e muita concentração para que as coisas aconteçam! Se vocês não trabalharem direito, o natal das criancinhas vai ser muito triste!!

O duende Tom respirou fundo e tentou manter a calma...

- E tem mais, se você acha que meu trabalho é moleza, você não imagina o que que é voar meio mundo em menos de 40 horas, eu até tento usar o fuso horário a meu favor, mas sempre acabo perdendo a hora na China!! Você acha que eu gosto de ficar rodando e rodando com aquelas malditas renas? E elas cagam pra caralho, o tempo todo tem que parar e ai de mim se elas cagarem no teto de alguma família americana!! Aí aparecem milhares de jornalistas fazendo especulações sobre a minha existência e aí adeus paz aqui na Lapônia... Eu fico aqui o ano inteiro isolado, você acha que é legal só ser lembrado por um mês? Acha que é legal ser trocado na sequência pelo coelhinho da páscoa? E a porra das crianças acreditam que um coelho ponha ovos de chocolate!!

O duende Tom continuava a tentar manter a calma, mas seu sangue estava subindo...

- É... eu já tô aqui nessa lapônia há mais de 400 anos e você é um duende novo, não sabe o como é chato viver nessa porra que só neva o ano inteiro!! Você acha que eu sou feliz? Acha q eu estou satis...

- CALA ESSA MERDA DESSA BOCA!!! EU NÃO TENHO MAIS QUE ATURAR ISSO!!

Papai Noel até corou de susto com a reação do Duende Tom.

- O que que você está pensando da vida? Que é o Papai Noel? Porra, eu só peguei esse emprego porque pagava bem, mas você só paga por hora!! Eu vou te denunciar pro sindicato dos duendes! Qualquer shopping center oferece condições mais humanas de trabalho!! Eu fico aqui a porra do dia inteiro montando bonecas, sem hora pra almoço ou café, sem poder fazer xixi! Eu sou duende mas eu sou gente, viu?!? Eu não tenho que aturar sua encheção de saco não! Você se acha grandes merdas, mas só dá presente pras crianças ricas! Não tem esse papo de a criança ser boazinha! Porquê que você não dá presente pras crianças africanas

- Mas elas não comeram direito o ano todo... - resmungou um Papai Noel atordoado

- E tem mais! Você é um madito símbolo do capitalismo selvagem!! Acabou de vez com o espirito de natal, porque hoje as criancinhas só querem saber de ganhar presente! Até xingam os pais!! E você acha que elas querem bicicletas, bonecas? Elas querem é Playstation!! Esses presentes todos aqui são ultrapassados, se os pais delas acharem que só isso vai bastar, lá vem a encheção de saco "Papai, mas eu pedi Playstation 2", "Mamãe a minha boneca não fala..."! E essa roupinha vermelha ridícula e ultrapassada, ainda não expirou o contrato com a Coca-Cola? Vê se toma tenência e trata de ser mais humano! Ou toma uma merda de viagra e vai dar um confere na Dona Natalina, porque esse duende aqui tá de saco cheio! Já era! FUI!!

Nisso os outros duendes pararam todos o trabalho e começaram a gritar palavras de ordem. - Queremos greve!! Férias!! Décimo-terceiro!! Aposentadoria!! Horas extras!! Fora papai noel, viva a revolução!! E logo uma bandeira do PSTU foi improvisada com roupas usadas do Papai Noel, era o fim da ditadura do bom velhinho. Mas o duende Tom não tinha nada a ver com isso, ele já havia saído de lá procurando o próximo trenó para casa. Estava pensando em arrumar um bico como mascote do Boston Celtics, ou quem sabe arrumar uma ponta numa nova versão do Harry Potter, na verdade ele bem ouviu falar que estavam pensando em fazer uma nova versão de "Sonhos de uma noite de verão" em Londres, quem sabe depois ele emendava numa produção teatral da "Fantástica Fábrica de Chocolates", mas enfim, qualquer coisa, até um emprego de duende de shopping, era melhor do que trabalhar naquela maldita linha de produção.

E naquele natal o pequeno Bob ficou sem presente.

1 Notas:

Blogger Luciana Frayha Righi said...

Ei!! Nossa, leio, leio, leio....e não canso...e não perde o ritmo, e não perde a cor nem a essência de um verdadeiro escritor....!

11:47 PM  

Postar um comentário

<< Home